segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Sobre livros, editores e escritores


                                                                                                          ©2011 shlomitor

Recém chegada das obras da Fazenda do Brigadeiro Luis António,  Saltos, Campinas, onde faço o ensaio documental fotógrafico da restauração sob os auspicios da arquiteta Ana Villanueva encontro uma pilha de pacotes pardos, um em cima do outro, a minha espera. São livros que possuem além de sua própria história, a história dos seus itinerários. Não chegaram em cima da minha mesa por obra do acaso ou graça ou destino. Eles aqui, assim, encarando-me feito livros, por labor de muita muita gente além dos seus autores sofregos, mal dormidos, escrivinhadores, pesquisadores, quando não, dos seus editores, também sofregos, também mal dormidos, também laborosos para que hoje, eles se portassem comportados em cima da minha mesa restiando o raio de sol que atravessa a janela, não sem antes fazer uma refração no belo e cheiroso vaso de Mirra ( commiphora myrrha) que ganhei do Luiz Fernando Martins, o Nando, o melhor tradutor de livros do inglês para português que conheço mas também meu amigo- professor de luz e sombras, fotográficas ou não.

Acuso e agradeço, portanto, o recebimento dos livros. Durante os próximos post deste blog e semanas próximas estarei postanto as respectivas resenhas críticas:


                                                                                                           ©2011 shlomitor

"Testemunha Ocular (recordações)" de Rubens Borba de Moraes e "O Mestre dos Livros: Rubens Borba de Moraes" de Suelena Pinto Bandeira que a editora (e o editor) Briquet de Lemos enviou-me gentilmente depois da leitura de um post desse blog (aqui) sobre a morte do José Mindlin. Já comecei a ler e já não quero chegar ao fim, nunca, porque Rubens Borba dá um espetáculo de erudição, conhecimento e é excelente prosador. Está sendo muito prazeirosa a leitura. O segundo livro, o da Suelena, não abri ainda porque o primeiro não deixou. Mas é só uma questão de tempo. Um livro chama o outro, não necessariamente nessa ordem, que está sendo a minha de leitura, mas foi a pesquisa e a pesquisadora  Suelena que é a responsavel para que possamor ter hoje o privilégio dessa leitura dos diários de Rubens. Depois, soube ainda na apresentação do livro que,  a professora Ana Maria Camargo entrou na história, para minha alegria e descoberta...estar com Rubens Borba sem ter a mão da professora no meio é sempre muito triste, muito inviável, até porque conheço Ana Maria e aprendi muito com ela sobre Rubens, em conversas e cafés na minha ex casa da rua Paes Leme, no século passado, quando recebia visitas dela junto com o livreiro Garaldi e um seu cachorro, magnifico, um simpático bull terrier.  Todos esses aspectos juntos me deixaram muito contente e aflita e afobada para começar a leitura. Quero antecipar que fui surpreendida pela introdução do editor Briquet que dá uma lição sobre o estabelecimento de texto utilizado por ele na edição. Que fique anotado: se você quiser aprender ou ter uma idéia de  como é ser um bom editor leia a "Apresentação" do livro do Rubens Borba redigida pelo Sr. Briquet. Aliás, gostaria de salientar que esse editor e atualizado leitor de blogs, além de ler meu post, comentou por email, que talvez eu estivesse um pouco equivocada quanto a relação do Rubens Borba com o José Mindlin, iniciando assim, uma (e essa) saudável discussão, leitura e comentários. Nunca nos vimos ou nos apresentaram, nem antes nem depois, e, que  vivam os blogs e os editores antenados e salutares como o Sr. Briquet Lemos.



                                                                                                        ©2011 shlomitor
Também comecei a leitura do "A arquitetura da Alteridade: a cidade Luso-Brasileira na Literatura de Viagem (1783-1845)" do Amilcar Torrão Filho, fruto de um longo e profundo doutorado. A pesquisa me interessa de perto e me atinge por dentro: há um historiador que, enfim, está levando em conta que diários, tratados, itinerários, são todos generos que pedem conhecimento das práticas letradas de retórica anteriores ao século XIX na Peninsula Ibérica, coisa que necessita de folego e parece que nosso historiador Amilcar o tem, ou arranjou, ou se empenhou nisso, pouco importa: o livro precisa de folego para ler, é um passeio profundo sobre a cidade luso brasileira na literatura de viagem, e em troca você necessariamente vai sair mais letrado e menos burro do itinerário que o professor da Puc- Sp, oferece. É pegar e não largar. O livro saiu pela coleção "Estudos Históricos" da Hucitec que insiste em espremer as letras e deixar as linhas sem espaço para economizar papel e nunca coloca óculos ou lente de aumento como brinde para leitura. Mas isso não é um problema só da editora Hucitec, a gente sabe.
Em tempo: também agradeço ao professor Amilcar por  enviar ao meu endereço o livro " De volta a Luz: fotografias nunca vistas do Imperador" , esgotadissímo, do finado Banco Santos que Deus o tenha e guarde em nossa terra publica toda coleção comprada por Edemar Cid Ferreira. Há aguns anos atrás vi toda a coleção e processo de restauração das matrizes de talha dos maiores mestres populares de xilogravura brasileira que era da  sua coleção particular e foi salvo pelo IEB-USP, depositário a partir de então, sic, prisão,  dessas pérolas. Um bom ladrão esse senhor Cid: obrigada pela sua coleção particular. Ainda haveremos de vê-la por aí, exposta e de graça, porque ela é nossa, sim senhor.



                                                            ©2011 shlomitor
 
 Fica aqui resgistrado também meu supergrata ao Fellipe Andrade Abreu e Lima que me enviou há séculos atrás ( e eu só recebi essa semana) um exemplar do seu esgostado "A Obra e o Tratato de Arquitetura de Giacomo Barozzi da Vignola" pela Edições Bagaço no Recife. Nesse meio tempo, Fellipe que é arquiteto e especialista em Tratados de arquitetura Renascentista já publicou mais dois livros importantissímos, a saber:
"A Tratadistíca do renascimento-1452, FAUUSP, 2009" e " Regra, Ordem, Invenção, FAUUSP, 2010" e para inveja dos simples mortais está em pleno inverno   na Universidade de Harvard, de sobretudo preto, e, sobretudo, sendo "research Assistent" para levantar a autoestima de todos nós, pesquisadores brasileiros.
Suas traduções comentadadas são de grande valia pois o moço, além de inteligente, arquiteto e urbanista é também  professor e tradutor de italiano. Foi assim que ele traduziu para o português o Tratado de Vignola que circulou feito rastilho de polvora no século XIX brasileiro e foi utilizado em larga escala nas obras eméritas da arquitetura no Brasil. Taí a tese de doutorado da Ana Villanueva, no prelo, sobre Campinas Clássica: Catedral Nossa Senhora de Campinas, para comprovar isso. Nem só de Ramos de Azevedo vive a arquitetura brasileira mas também de arquitetos pesquisadores notórios sobre arquitetura colonial e tratadistica como Fellipe de Andrade Abreu e Lima e Ana Villanueva, que como vocês sabem (ou não sabem) sou a fotógrafa oficial da documentação de seus projetos de restauração.



                                                                                                        ©2011 shlomitor
 
Por fim, um adendo: a magnifica brochurinha, bem aos moldes do caprichoso editor Claudio Giordano que é editor de pérolas e achados ao gosto de qualquer bibliófilo que se preza, coisa que não é meu caso, sou apenas uma leitora compulsiva e voraz. Pois, já lançado em 1998, esgotado e reeditado em 2004, a pérola de livrinho com capa vermelha e folhas amareladas é parte do diário de Pedro Nava referente à sua viagem em 1958 ao Egito, Jordânia e Israel. Com direito a desenhos, comentários e capa do caderno em Fac-simile e lançado pela Atelier Editorial, o diário dá conta de mais um brasileiro que bateu pernas na cidade velha de Jerusalem, como eu, com a diferença que se chamava Pedro Nava e é nosso maior memorialista. Transcrevo aqui um pequeno trecho da página 37 e 38 do "Viagem ao Egito, Jordãnia e Israel" para aguçar a sua vontade e ter noção da consideração crítica de Nava em 1958 de uma paisagem que não terminou, que não termina e me chama na alma:
"Uma mesma cidade, Jerusalém. Mas a Jerusalem na Jordânia e a Jerusalém de Israel diferem como se fossem dois mundos separados no tempo e espaço. A Jerusalém da Jordãnia é uma visão das Mil e Uma Noites, Mil e Uma Noites piolhenta, sórdida e colorida, mas sempre Mil e Uma Noites. Cheia de movimento de um formigueiro de comerciantes, crianças, soldados, burros de carga e de mulheres e homens de véus e kafias policrômicos. É difícil dar a medida de seu encanto e de sua simpatia, de sua profunda humanidade e sua incomparável doçura. É viva como os seus doces de todas as cores, saborosa como o rabatloukoum dos tabuleiros de cada esquina. Cheira a estrume, incenso, amendoim e carne de carneiro. A Jerusalém de Israel é uma cidade do nosso tempo- limpa, normal, americanizada e cheia de força banal do progresso e da criação" (Pedro Nava In "Viagem ao Egito, Jordânia e Israel")


4 comentários:

Anônimo disse...

Parabéns Luciana,

o tom poético de tuas palavras nos faz feliz. Espero poder retribuir com bons e novos livros a serem enviados breve. aproveito e saúdo a todos os citados por ti neste belo texto de tom jornalístico e pessoal; com magia e perspicácia. Ad maiora!

@der_werwolf disse...

informações preciosas, vou seguir o blog :D Continue com o excelente trabalho, abaços

Flor disse...

Através do link de um site, deparei-me com boa leitura. Comecei por Pedro Nava, degustarei seu blog aos poucos. Sempre que possível passarei por aqui.
Lindas fotos.
Paz *)

Flor disse...

Através do link de um site, deparei-me com boa leitura. Comecei por Pedro Nava, degustarei seu blog aos poucos. Sempre que possível passarei por aqui.
Lindas fotos.
Paz *)